Metal

Cynthia Witthoft Hilarious Noises from Multisexual World rar

  • Download 5x Faster
  • Download torrent
  • Direct Download
  • Rate this torrent +  |  -
Cynthia Witthoft Hilarious Noises from Multisexual World rar

Free and Direct Download with Usenet.nl 300GB+ free


Torrent info

Name:Cynthia Witthoft Hilarious Noises from Multisexual World rar

Total Size: 219.72 MB

Magnet: Magnet Link

Seeds: 0

Leechers: 1

Stream: Watch Online @ Movie4u

Last Updated: 2010-07-17 16:47:50 (Update Now)

Torrent added: 2009-08-24 05:27:17





Torrent Files List


Cynthia Witthoft - Hilarious Noises from Multisexual World.rar (Size: 219.72 MB) (Files: 1)

 Cynthia Witthoft - Hilarious Noises from Multisexual World.rar

219.72 MB
 

Announce URL: http://denis.stalker.h3q.com:6969/announce

Torrent description

Link: http://guitarwomen.blogspot.com/2008/04/cynthia-witthoft.html

Cynthia Witthoft começou sua carreira em meados de 1989, na Polônia, quando tinha apenas 14 para 15 anos. Vinda de uma família onde o pai alemão, desertor durante a Segunda Guerra, e a mãe, ex-prostituta polonesa, parece ter tido motivos familiares de sobra para seu extravagante comportamento posterior. Talvez uma evidência ainda mais forte desses "motivos familiares desestruturadores emocionais, ou do caráter", seja o fato de seu único irmão ser um dos primeiros transexuais da história. Cynthia Witthoft nasceu na capital polonesa em 1974 e pelo que se deduz teve desde tenra idade contato com músicos por seu pai ter sido um dos instrumentistas das bandas militares de Hitler. Vivendo entre a Polônia e a distante Finlândia, terra dos familiares maternos fugitivos durante a invasão da Polônia, talvez tenha sido nesse segundo país que teve os primeiros contatos com o rock pesado. Multi-instrumentista (guitarra, baixo, piano, violino, saxofone) rendeu-se em 1989 ao movimento punk. Talvez por ideologia anarquista, talvez por pura algazarra, mas foi nessa época que fez os poucos shows de sua vida, tocando meia dúzia de acordes distorcidos e minimizando sua vocação para harmonias e solos mais elaborados. Seus poucos shows com sua banda Polish Zombies foram interrompidos quando foi detida roubando chololates em um supermercado. Não seria motivo pra interromper uma carreira, porém com esse episódio descobriu-se que naquela ainda menina já havia fortes traços de alguma patologia mais séria. Isso "coincidentemente" aconteceu no mesmo ano em que seu pai cometeu suicídio, incendiando-se com gasolina na garagem de casa: seus dois filhos tão problemáticos talvez tenha contribuído para seu ato radical. Após alguns meses detida para tratamento, Cynthia Witthoft saiu do manicômio muito mudada: a partir dali dispensaria dois integrantes da banda, iria morar com o terceiro deles e com este montar uma outra banda, junto a amigas homossexuais, para apenas atingir a moral e os valores éticos. Parece mesmo ter sido mais estimulada pela revolta, ou por alguma psicopatologia, do que por amor à música! Assumiu-se "ladra" - como gosta de ser chamada - e passou a roubar músicas de qualquer um, a usar quilos de drogas e promover em seu apartamento orgias semanais. Parece que seu ganho nunca veio de fato de seus incontáveis albuns cheio de roubos, mas também criações geniais e virtuosas, conta-se que seu verdadeiro ganha-pão vem de músicas que faz para video-games, adotando vários pseudônimos. Lenda? Boato? Não se sabe! O que realmente se sabe é que nunca mais foi vista fora de casa, alegando Síndrome do Pânico, e em seu único show fora da Europa, nos Estados Unidos, não tocou mais do que seis músicas mesmo tendo fechado a bilheteria para no máximo meras 30 pessoas. Recentemente, 2006, foi novamente detida, dessa vez por "sedução de uma menor". Há comentários, e não é tão difícil de se achar, de que ela não só mantinha relações sexuais com a menor como tinha o hábito de ingerir as fezes dela. Eu acho que muita lenda se cria... li posts pela net onde comentavam de Cynthia, como Maluf: "rouba mas faz", e em outro grupo de debate alemão ela era comparada ao Zappa: "pelo menos o Zappa comia as próprias fezes e não dos outros" (a única comparação possível com o Zappa...). Se ela queria abalar sua imagem, parece que conseguiu! E com certeza seu pai continua ardendo em seu caixão...

Trecho de entrevista realizada com Cynthia Witthoft em 26 de julho de 2005 por Edward Ehrman, via Windows Live Messenger, para The Texas Metal News http://www.anus.com/metal/about/texas_metal/. Traduzido do inglês para o português por Osmar Julião:


Edward: Como você vê a diferença dos cenários “metal” da Europa para o dos EUA?


Cynthia: Eu não posso responder a essa pergunta com conhecimento de causa, só estive nos EUA uma vez para um show privado numa boate stripper em New York. Não passei bem desde que cheguei até a minha volta, não sei se peguei algum resfriado do Mundo Novo, assim tive muito pouco contato com o movimento metal. Eu não vou me meter a responder a isso pela leitura de revistas ou sites. E mais, o show de NY nem foi realizado para um público metal, mas pra um pequeno grupo de maníacos sexuais e músicos que gravaram o evento e lançaram um álbum idiota e inaudível chamado In America.


Edward: Esse álbum não é oficial?


Cynthia: Oficial? O que você define como oficial? De uma gravadora respeitada ou lançado por mim mesma? Muitos se surpreendem quando eu falo que “oficiais”, de gravadoras ou lançados por mim, só existem nove álbuns. Essa avalanche de obras que eu vejo em lojas de raridades do rock ou sites de torrents são oriundas do Japão, Alemanha, Finlândia, Argentina, EUA, etc, e criadas por outros membros da minha banda e por pessoas que não conheço que se apropriaram do meu nome ou, quem sabe, se afinizam com algo que eu possa representar. Muita gente também teve acesso a cento e quarenta músicas que gravamos aqui em casa e disponibilizamos no meu site três anos atrás (http://www.cynthiawitthoft.com.pl/) e com esse material confeccionaram bootlegs os mais curiosos. Eu não me importo! Já fazem parte da minha discografia também, apropriei-me e aproprio-me de tudo que me fazem! Se você quer gravar uma música e colocar meu nome ou se quer pegar algumas músicas minhas gravadas aqui em casa - e eu ainda tenho milhares, realmente - e remasterizá-las em bootlegs, obrigada, eu me divirto com tudo isso! Quem gostar de alguma coisa minha e quiser se apropriar, por mim também está certo, mesmo tendo registro eu não ousaria processar ninguém, claro!


Edward: Como pode ser isso? Há álbuns seus que não há músicas suas?


Cynthia: Em todos os meus álbuns há músicas inspiradas e outras definitivamente furtadas sem pudor nenhum, todos sabem disso! Por que acha que me intitularam “A Ladra”? Há álbuns onde todas as músicas são minhas, talvez com um riffizinho roubado no máximo; há álbuns com uma ou outra música de fato roubada - ou usando nosso eufemismo: "desapropriada", como brincamos aqui - e há por aí álbuns com nenhuma música minha. Esses últimos eu jamais lancei, palavra! Por incrível que pareça há até bandas que querendo se promover lançaram na internet álbuns com suas músicas e meu nome, e depois em seus sites me acusaram de furtá-los. Isso é realmente irônico! O meu lance com o furto veio de uma constatação: nada se cria, tudo se copia – já dizia o velho Blackmore. Quando tínhamos nossa banda punk hardcore, fazer um som instrumental com poucas notas sem parecer com alguma outra banda punk era impossível, então como uma forma de assumir que era tudo igual começamos a roubar músicas, renomeá-las e tocá-las sem os vocais. Era algo satírico apenas, não visávamos ganhos com isso, queríamos curtir! Se não tivéssemos revelado muitos nem teriam percebido isso na época.


Edward: Mas não é a criatividade um diferencial entre músicos? A capacidade de criar mesmo sobre uma mesma nota é infinita, não?


Cynthia: Claro que é, mas a nota já está dada! Pertencer a um estilo de rock é seguir uma sucessão de melodias e ritmos padrão. Se faço uma sucessão “blues” logo você diz: “eis um blues!”. Já percebeu como homens como John Lee Hocker sempre tocaram a mesma coisa mudando a letra e são gênios? São gênios pelo espírito da música, não como instrumentistas. Se eu toco um rock n’ roll ninguém diz que é um roubo, a melodia é patenteada, repetida, mas tudo bem. Uma valsa é uma valsa, um bolero é um bolero! Ouço um metal melódico tipo Rhapsody e depois da segunda música eu já sei todo o resto do álbum, é repugnante, há uma regra naquela música! O que resolvemos fazer, então, é simplesmente brincar com isso e sair roubando riffs e tal, e depois instrumentais inteiros. A criação não é tão difícil, acredite: é muito mais difícil repetir uma música tentando ser idêntico à original a tocar suas próprias composições. Na verdade nunca nem pensei que tomaria essa dimensão essa coisa de “ladra”. Sou perseguida pelos “Senhores dos Direitos Autorais” e como reajo? Eu simplesmente cago pra eles e apelo: guardo minhas obras e roubo ainda mais. Eu quero mais é que o mundo queime!


Edward: Por que não lançar apenas suas obras? Por que “apelar”, como diz? Não seria, como você também diz, “até mais fácil?” E você não poderia viver mais sossegada e ter um reconhecimento musical?


Cynthia: Porque eu sei que lançar a obra prima do metal ou roubar, ou mesmo gravar uma obra medíocre, como já gravei tantas, não faz diferença para uma desgraçada polonesa, filha de uma puta: esse é um cenário machista. Prefiro a agressão e escárnio ao comodismo estúpido das fêmeas que sempre serão inferiores pelas normas morais em que estamos mergulhados até hoje. Você acha que houve alguma revolução feminina? Besteira! Os negros continuam escravos, os pobres continuam sendo párias condenados e as mulheres continuam sendo sombras masculinas, inferiores. Noventa por cento do capital que gira no metal vem de adolescentes masculinos que buscam ali identificação com o herói, daí se vê um Kurt Cobain ser venerado mesmo sendo um acéfalo suicida, músico medíocre. Suicídio se faz com arte, não por amor! Ao menos a mulher dele mostrou ser mais inteligente. Se uma mulher quer ganhar realmente dinheiro com música, ou vira artista pop tipo Madonna ou vai ser Backing Vocal do Pink Floyd, vê-se que o Hole não vingou. Houve um tempo em que eu pensei que faria diferença ter obras primas, trabalhava as músicas buscando uma perfeição, mas logo isso deu lugar a uma simples vontade de colocar tudo pra fuder. Talvez eu tenha aqui em casa obras do maior quilate, mas pretendo levar quase tudo pro meu túmulo: elas são minhas e não terão o mesmo valor que dou. O maior passo pra essa decisão de avacalhar tudo foi chamar uma amiga de meu irmão, atriz pornô, que toca guitarra como um rinoceronte, e deixá-la solar a vontade. Prezo mais a devassidão, a coragem de sangrar esse mundo de merda, à qualidade ou genialidade idiota. Deixo os egos de Satriani, Vai ou Malmsteen cuidarem disso por mim. Dizem que é inveja minha do pênis, ou negação do meu gênero feminino, entendam o que quiserem, foda-se! Onde está Jaye Foucher, aquela mulher brilhante? Onde está The Great Kat, aquela egocêntrica admirável? Eu acho que ambas colocam Satriani, Vai e Malmsteen nas aulinhas de dó ré mi do conservatório. Great Kat até tenta seu merecido lugar de Deus ao lado deles, desesperadamente, mas teve o azar de nascer sem pau no meio das pernas... Deus tem pau! Jenifer Batten, na minha opinião é a maior guitarrista do mundo, entre todos, homens e mulheres. Mas onde ela está? Lançando álbuns geniais para um grupo seleto e tendo que suar a roupa pra sobreviver? Eu acho que ela já arrumou um macho da espécie e vive como a Litta Ford, de lembranças. Litta desistir foi um favor que nos fez, mas onde está Jenifer Batten? Desistir parece ser a regra das mulheres, olhe com atenção: elas desistem e vão chupar seus maridos e ter seus filhos como animais no cio que sentem a biologia acima de qualquer esforço ou genialidade. Malmsteen, enquanto isso, depois de surrar a mulher, mostrava sua coleção de carrões e lançava mais um insuportável álbum masturbatório. Vê? Tudo é masturbação do pau, só se quer uma vagina pra se meter, quem porta a vagina, a mulher, não interessa, é inferior e está acabado!

related torrents

Torrent name

health leech seeds Size
 

comments (0)

Main Menu